Blog

Um Ritual de Inverno

Inês Zurzica, Cambridge (UK)

 
Sou a Inês.

Durante muito tempo identificava-me com a minha profissão, enfermagem, mas agora o que sou passa para além disso. Prefiro identificar-me com os meus gostos e o que me faz sentir bem.
Sou uma apaixonada pela vida, pela Natureza e pelas pessoas, principalmente as que me rodeiam. Adoro aprender coisas novas, escutar e partilhar. Adoro viajar, física e mentalmente.
O descontentamento com a enfermagem fez-me procurar novos caminhos e novas opções. Concluí recentemente um curso de MBSR (Mindfulness -Based Stress Reduction Program) Módulo 1 e estou a meio de um programa sobre o nervo vago, com o intuito de regular o sistema nervoso e conectar o mesmo com o meu corpo. 

Acredito na beleza do ser humano, e que a maior riqueza que temos nesta vida é a capacidade infinita de amar e ser amado. 

Pedimos-lhe que compartilhasse algum conhecimento sobre o ritual de atenção plena e as suas memórias olfativas.

LB: Em que medida uma fragrância pode ser utilizada para ajudar a definir ou alterar o nosso humor?

Inês: Varia. Os sentidos estão muito associados a memórias. Memórias vividas num passado muito único a cada um de nós e cheio de histórias. E como tudo, há memórias que nos trazem boas sensações e outras sensações que tendemos a rejeitar, pois não estamos tão familiarizados com elas, ou simplesmente não gostamos.

Penso que a magia da fragrância estará em trazer-te para o momento presente e conseguires desfrutar do que te possa trazer, seja um câmbio de humor, seja uma lembrança, ou apenas um criar de uma nova memória.

LB: De que forma uma vela pode ser integrada num ritual de atenção plena? 

Inês: Trazer-te para o presente. E simplesmente colocarmo-nos num papel de espectador e apreciar todas as sensações que surgem no corpo e na mente. Observarmo-nos a nós mesmos sem rotular, sem julgar, sentir que tipo de impulso e sensações nos traz ao corpo. 

LB: Que notas de fragrância recomendarias para ajudar a transmitir a sensação de calma e contentamento?

Inês:  Não estou muito familiarizada com as diferentes notas olfativas, reconheço, e cada pessoa é um mundo. Recomendo a cada um descobrir aquilo que lhe traz mais tranquilidade. Ouve-se falar muito das propriedades do ylang ylang ou da lavanda. Mas o que pode induzir a calma numa pessoa, pode trazer stress para outra. Somos todos humanos, e a beleza disso é exatamente o desafio de saber o que a cada um traz conforto. Mas que as fragrâncias promovem calma e relaxamento sim, claro! Só tens de descobrir a tua.

LB: Uma questão mais pessoal. Tens alguma ou algumas fragrâncias específicas que prefiras no inverno? 

Inês: Sim! Sem dúvida o cheiro de eucalipto, ou pinheiro, porque traz-me muita nostalgia e um conforto enorme, ao transportar-me para o calorzinho agradável da lareira da minha infância.


LB: Podes partilhar uma memória relacionada com uma fragrância?

Inês: Hum…. lá está, a memória que acabei de mencionar.
E é sem dúvida a viagem espacial mais rápida de fazer.
Cada vez que passeio por pequenas aldeias, seja em que parte do mundo for, e vem o cheiro a lareira, viajo para o caminho de terra batida entre a casa onde cresci e uma taberna que havia lá perto! Mergulho numa viagem de memórias muito nítidas. Recorda-me a minha avó com as suas botas de borracha, o chapéu na cabeça e o cesto de verga! O meu coração enche-se de ternura e amor. Aqui está o poder da fragrância e da biblioteca de memórias que temos em nós.

Escrito por LILY BROWN JOURNAL


Site Seguro
×